sábado, 2 de julho de 2011

O CÁRDIAS - Anahata

Anahatasharada

Anahata

Ensinamos, em todas as nossas obras, vários sistemas para a saída em Corpo Astral. Muitas pessoas aprendem a sair e muitas não. Algumas pessoas leram algumas chaves de nossos livros, entenderam-nas, puseram-nas em prática e logo depois aprenderam a sair em Corpo Astral. Muitas outras pessoas praticaram com um ou outro sistema, sem haver conseguido nada.

Na prática pudemos comprovar que indivíduos de tipo muito intelectual, cheios de cultura livresca (os ratões de biblioteca), não conseguem sair à vontade em Corpo Astral. Ao contrário, as pessoas muito simples, os humildes campesinos, as pobres empregadas de família, conseguem-no às maravilhas. Isto nos fez pensar muito na questão e por isso investigamos cuidadosamente o problema.

A realidade é que a saída em corpo astral não é de tipo intelectual. A saída astral corresponde muito mais ao sentimento e à emoção superior. Estas qualidades relacionam-se com o coração e não com o cérebro. O intelectual polariza-se exageradamente no cérebro e abandona de fato o mundo do coração. O resultado de sua falta de equilíbrio é a perda dos poderes psíquicos da alma. Infelizmente não se pode conseguir uma faculdade sem a perda de outra.

Quem desenvolve o intelecto, o faz às expensas das faculdades psíquicas. O problema é grave porque não podemos de modo algum aprovar a ignorância e o analfabetismo. É lógico que a cultura intelectual é necessária. A ignorância conduz a gravíssimos erros. Um ocultista analfabeto e ignorante pode converter-se num mitômano, num caluniador ou, no que é pior, num assassino.

anahata-4No Mundo Astral existem os duplos perversos das pessoas santas. Defronte ao Anjo Anel está o seu duplo perverso, o terrível demônio Lilith. Defronte a Elohim Gibor está o terrível demônio Andramelek. Defronte a qualquer cidadão de bem existe outro cidadão de mal. O pior disso é que a aparência do duplo perverso é idêntica ao Modelo de Luz. Se um adepto ensina magia branca, o seu duplo, o adepto negro, além de ter toda a aparência fisionômica, modos e postura, ensina a magia negra.

Isto é gravíssimo e o ocultista ignorante pode facilmente confundir a “GIMNASIA” com a “MAGNESIA”, convertendo-se de fato num caluniador de boa gente e, repetimos, até num assassino. Se um ocultista ignorante encontrasse sua esposa adulterando com algum amigo, no astral, poderia assassinar a ambos, caso fosse um ocultista esquizofrênico ou epiléptico. Sua ignorância não lhe permite compreender que viu um par adulterando, ou um fato de uma reencarnação passada, etc. Se alguém tiver ciúmes e supuser que sua mulher lhe está sendo infiel com algum conhecido ou desconhecido, poderá projetar então suas formas em pensamento e depois vê-las no Mundo Astral. Se o sujeito for um neurastênico, ou um esquizofrênico ignorante, mas que sabe sair em Corpo Astral, poderá tomar a sério tudo o que viu e depois assassinar, confundido pelos ciúmes e pelas visões. Em virtude de ser ignorante, não poderá compreender que viu suas próprias formas mentais projetadas inconscientemente.

Tudo isso nos leva à conclusão de que é necessária a cultura intelectual. O interessante é saber agora como se reconquistam as faculdades psíquicas perdidas. Um homem cheio de uma brilhante intelecção iluminada e com todas as suas faculdades psíquicas em plena atividade é, de fato e por direito, um verdadeiro Iluminado. O ocultista necessita estabelecer um perfeito equilíbrio entre a mente e o coração. Quando a mente se congelou demasiado no cérebro, a saída em Corpo Astral à vontade torna-se completamente impossível porque há desequilíbrio. Por isso, é mister que os ocultistas intelectuais restabeleçam o equilíbrio entre a mente e o coração. Felizmente, existe uma técnica para restabelecer o equilíbrio perdido. Esta técnica é a meditação interna.

A todos aqueles intelectuais que nos escrevem, dizendo que não conseguiram sair em Corpo Astral com as chaves que lhes demos, receitamos uma boa dose diária de meditação interna. É urgente que bebam o vinho da meditação na taça da perfeita concentração.

O Cárdias é o centro magnético do coração. Esse centro acha-se maravilhosamente descrito nos versículos 22 a 27 de Shatchakra Nirupana. Vejamos: “O loto do coração é da cor da flor Banadhuka e nas suas doze pétalas estão as letras Ka e a Tha com Bindhu sobre elas, de cor vermelha. No pericárpio está o Vayú Mandala hexagonal, de cor afumada e em cima o Survva Mandala com o Trikona, que reluz como se tivesse dez milhões de raios fulgurantes em seu interior. Sobre ele está o Vayú Bija, de cor de fumo, sentado em um antílope negro, com quatro braços e empunhando o acicate “Angkusha”. No regaço de Vayú Bija está Isha, o de três olhos. Como Hangsa (Hangsabha), estende os braços em atitude de outorgar dons e desvanecer o temor. No pericárpio deste loto e sentado num loto está a Shakti Kalini. Tem quatro braços e leva o laço corrediço (Pasha), a caveira (Kapala) e faz signos de outorgar dons e desvanecer o temor. É de cor dourada com vestimentas amarelas, adornadas com toda classe de jóias e uma grinalda de ossos. Seu coração está suavizado com néctar. No meio de Trikoma está Shiva, na figura de Vana-Lingga, com a meia-lua, e Bindhu em sua cabeça. É de cor de ouro e seu olhar é jubiloso e denota impetuoso desejo. Debaixo dele está o Hangsa, semelhante a um Jivatma. É como a tranquila chama de uma lâmpada. Debaixo do princípio deste loto está o loto vermelho de oito pétalas com a cabeça voltada para cima”.

“Neste loto vermelho está a árvore Kalpa, com seu altar enfeitado de jóias, encimado por um toldozinho e adornado com bandeiras: é o lugar do culto mental”.

A descrição hindu deste chacra é maravilhosa. Menciona-se o número de pétalas, o princípio do ar (Vayú), Shiva, a força sexual, com seu Linga e a Meia-Lua, etc. Assinalando-se o coração como o altar do culto mental, o centro maravilhoso da Meditação. Sobre o transcrito parágrafo hindu pode-se escrever muitos volumes.

O Cárdias é o centro magnético relacionado com as viagens astrais. Aquele que quiser conquistar o poder de sair em Corpo Astral à vontade, deve mudar inteiramente o seu tipo de vibração. E isto só é possível desenvolvendo o Cárdias.

A saída astral é mais de caráter emotivo e sentimental. O frio intelecto nada tem a ver com as saídas em Corpo Astral. O cérebro é lunar e o coração é solar. Para sair à vontade em Corpo Astral, é necessária a Emoção Superior, certo tipo de emotividade, o sentimento, uma super sensibilidade e o sono combinado com Meditação. Tais qualidades só se conseguem com o desenvolvimento do Cárdias.

H8HFCA4J2DGBCA397C5TCAKNGZEQCAX5EA6QCA4QQY3HCAA9LGFTCA6UZ7WRCAADEX0LCATKJTN5CA275R2GCASCU0IHCAFTBETOCAJQQVS8CABL6D0NCAU7TM83CACC6VVTCAB9WH54CAL25TI2O Shiva Samhita, falando sobre o Cárdias, diz: “O Iogue adquire imensos conhecimentos, conhece o passado, o presente e o futuro; tem Clariaudiência e Clarividência e pode ir pelos ares aonde quiser; vê os Adeptos e as Deusas Ioguinas; obtém a faculdade chamada Khekhari e vence as criaturas que se movem pelos ares”. “Quem meditar diariamente sobre o oculto Banalinga, indubitavelmente obterá as faculdades psíquicas chamadas Khekhari (mover-se pelos ares em Corpo Astral), ou adquirir também o poder de pôr o corpo em estado de Jinas. E Bhukhari (ir à vontade por todos os cantos do mundo)”.

PRÁTICA

O devoto deve concentrar-se em seu coração, imaginando existirem ali raios e trovões, nuvens que voam perdendo-se no ocaso, impulsionadas por fortes furacões. O Gnóstico deve imaginar inúmeras águias voando pelo espaço infinito, que está dentro, bem no âmago de seu coração. Imagine também os bosques profundos da natureza, cheios de sol e de vida, o canto dos pássaros e o silvo doce e aprazível dos grilos do bosque. Que o discípulo adormeça imaginando tudo isso. Imagine ainda existir no bosque um trono de ouro onde se assenta a Deusa Kakini, uma mulher muito divina. Durma o Gnóstico meditando em tudo isso, imaginando tudo isso. Pratique uma hora diária e, se praticar duas ou mais horas diárias, tanto melhor. A prática pode ser feita sobre uma cômoda poltrona, deitado no solo ou na cama, com os braços e as pernas abertas, em forma de estrela de cinco pontas. Deve-se combinar o sono com a meditação. Deve-se ter muitíssima paciência. Só com paciência infinita consegue-se essas maravilhosas faculdades do Cárdias. Os impacientes, aqueles que querem tudo rapidamente, aqueles que não sabem perseverar por toda a vida, melhor seria que desistissem, porque não servem. Os poderes não se conseguem brincando. Tudo custa a ganhar e nada se consegue de graça.

 

Samael Aum Weor – Matrimônio Perfeito

Um comentário:

  1. Fr Gemini.'.4 de julho de 2011 18:20

    Postei este trecho do livro Matrimonio Perfeito, com o intuito de expor, dois livros que são sitados dentro dele, na verdade o "Shatchakra Nirupana" é um trecho de um livro de um maior, trazido ao ocidente por Sr Arthur Avalon quem tambem publicou "Mahanirvana Tantra" e "The Serpent Power – The Secrets of Tantric and Shaktic Yoga", fora o mencionado "Shiva Samhita" um dos livros bases do Hatha Yoga como Geranda Samhita. Todos eles com bases profundas numa Yoga Tantrica.
    Então minha intenção desta publicação é demonstrar que muito do que lemos nos passa desapercebido, e talvez se estudassemos mais detidamente as coisas aprenderiamos a ler onde não esta escrito.

    Agaphe

    ResponderExcluir